09 DE DEZEMBRO

|

Informativos por E-mail

PUBLICIDADE

JET FREE É DE FATO E DE DIREITO O GARANHÃO CAMPEÃO DO CPV 2017

Publicado em 07 de Julho de 2020 por Portal Vaquejada

CONFIRMADO

             

              Saiu a sentença que garante o título de campeão do CPV 2017 ao cavalo JET FREE (In memoriam), que competiu na sela do vaqueiro Júnior Latércio representando o CL Ranch, da cidade de Juazeiro do Piauí-PI, de propriedade do Sr. Cícero Leite.

              O título estava sub judicie na 4ª Vara Cível de Campina Grande-PB, desde o final da edição 2017, aguardando decisão do processo ajuizado pelo Sr. Pedro Ronaldo Silva dono do garanhão ARAGON APOLO, que competiu na sela do vaqueiro Valter Xavier, representando o Haras Guararapes de Caruaru-PE.

              Ao julgar o processo, a Juíza Audrey Kramy Araruna Gonçalves, proferiu sentença, dando ganho de causa ao promotor do Campeonato Portal Vaquejada, Fábio José Leal Guerra, contestado na justiça por ter desclassificado o cavalo ARAGON APOLO e o vaqueiro Valter Xavier na etapa do Parque Milanny (edição 2017), alegando prática antidesportiva. 

              Em sede de sentença a Magistrada expôs que:

        ANTE O EXPOSTO, e considerando o mais que dos autos consta, JULGO IMPROCEDENTE O PEDIDO contido na peça exordial e, por consequência, EXTINGO O PROCESSO COM RESOLUÇÃO DO MÉRITO, com fulcro no art. 487, I do CPC.

             Consequentemente, revogo a tutela de urgência concedida em favor do promovente (Id 11477973). Condeno o promovente ao pagamento das custas processuais (já recolhidas) e honorários advocatícios, estes que arbitro no valor de R$ 1.000,00 (um mil reais), nos termos do art. 85, §8o, do CPC.

                       Publique-se. Registre-se.

                       Intimem-se as partes. Após o decurso do prazo recursal, certifique-se o trânsito em julgado e arquivem-se os presentes autos.

                       Cumpra-se. Campina Grande/PB, 15 de abril de 2020.

                       Audrey Kramy Araruna Gonçalves – Juíza de Direito.

            Segundo o Advogado Diego Oliveira, da sentença ainda cabe recurso para uma das câmaras cíveis do TJPB, e pode ser ofertada até o dia 17/07/2020. Contudo, a contestação e as provas acostadas ao processo foram determinantes para comprovação da conduta antidesportiva praticada pelo vaqueiro Valter Xavier, e a aplicação da pena prevista no regulamento do CPV, regulamento este que rege todas as regras do campeonato daquela época.

            Ha de se destacar ainda, os prejuízos causados com a demanda processual, trazendo mácula, e pondo em descrédito o campeonato e o cavalo JET FREE, agora sagrado campeão, vindo ser dirimida, com a sentença favorável, confirmando as regras dispostas no regulamento do campeonato, bem como,  a lisura e o comprometimento dos organizadores do campeonato com esse evento que é o Oscar da vaquejada nacional.

Foto: Renan Leoncio